Destaque, Política O quão perigosa é a Coreia do Norte?
O lider norte-coreano, Kim Jong-un. Foto: AFP PHOTO/KCNA VIA KNS

Destaque, Política

O quão perigosa é a Coreia do Norte?

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Google+Share on LinkedInEmail this to someonePrint this page

Após novo teste nuclear, país volta a usar tom belicoso contra EUA e Coreia do Sul

Alguns anúncios realizados pela Coreia do Norte nos últimos dois meses têm mantido a comunidade internacional apreensiva em relação ao país. Em janeiro, Pyongyang afirmou ter testado uma bomba de hidrogênio para se “proteger” contra uma invasão, alegando que o armamento poderia apagar os EUA do mapa. No mês seguinte, o governo de Kim Jong-un colocou um satélite em órbita no que especialistas consideram, na verdade, um teste de mísseis balísticos.

Embora Pyongyang costume exagerar seus feitos, o lançamento do satélite e a detonação da suposta bomba de hidrogênio representariam, combinados, um grande salto na capacidade bélica norte-coreana. Caso convertido em míssel, o foguete usado para colocar o satélite em órbita poderia atingir qualquer parte continental dos EUA.

Neste contexto, o quão perigoso militarmente é o país asiático?

As informações sobre a Coreia do Norte são escassas devido ao seu profundo isolamento, porém, é útil avaliar sua capacidade bélica para responder à essa pergunta. Estimativas apontam que Pyongyang possuía até oito ogivas de plutônio em 2015. Além disso, acredita-se que o país tenha material adicional para montar entre quatro e oito ogivas de urânio. Alguns analistas chineses, por outro lado, colocam o arsenal norte-coreano em até 20 ogivas.

Nos últimos anos, a Coreia do Norte reativou um reator usado anteriormente para extrair plutônio, além de revelar uma centrífuga que poderia ser utilizada para enriquecer urânio a altos níveis. Embora não haja confirmação sobre como essas instalações são utilizadas, teoricamente, elas possibilitariam a produção de novas ogivas desde que haja matéria-prima disponível.

Mas qual a capacidade do arsenal nuclear norte-coreano? Em 2006, o país realizou seu primeiro teste nuclear, cuja intensidade foi medida em menos de um quiloton. Ou seja, menos de um décimo da potência da bomba atômica lançada pelos EUA em Hiroshima (Japão) em 1945. Cada quiloton equivale a 1 mil quilos do explosivo TNT.

 Especialistas estimam que o teste de 2013 atingiu até 10 quilotons, cerca de metade da potência da bomba lançada em Nagasaki (20 quilotons) e dois terços da potência daquela que atingiu Hiroshima (15 quilotons) . Somados, esse dois ataques vitimaram cerca de 140 mil pessoas. Ou seja, a Coreia do Norte ainda não teria conseguido desenvolver uma bomba nuclear com capacidade igual àquelas detonadas pelos EUA há 71 anos.

Uma bomba de hidrogênio, por outro lado, é significantemente mais poderosa que a sua equivalente atômica.  Em 1961, a então União Soviética testou a “Czar”, a bomba nuclear mais poderosa já detonada, tendo atingido 50 mil quilotons. Mas estimativas iniciais indicam que a explosão norte-coreana alcançou 6 quilotons, uma fração da Czar, além de ser um resultado inferior ao atingido no teste de 2013 .

O governo de Kim Jong-un alega que o país detonou uma versão miniatura da bomba H, o que levantaria a hipótese de a ogiva ser pequena o bastante para ser instalada em um míssel de longo alcance. Especialistas, contudo, duvidam de ambas as possibilidades, argumentando que os norte-coreanos não possuem condições técnicas para produzir uma miniatura da bomba. Acredita-se também que o teste foi, na verdade, a explosão de um equipamento no meio termo entre uma bomba atômica e de hidrogênio. Ou seja, uma bomba atômica “aditivada” com a injeção de trítio, uma forma radioativa de hidrogênio. Isso até representaria um avanço na capacidade nuclear do país, mas não seria o bastante para criar uma bomba termonuclear.

Ademais,  ainda que Pyongyang possua armas nucleares, é preciso ter a capacidade de utilizá-las . O país já testou mísseis balísticos, mas ainda há dúvidas sobre se a Coreia do Norte conseguiu miniaturalizar as ogivas para instalá-las nestes mísseis. Essa conclusão não é, contudo, unânime. Em outubro de 2015, o almirante Bill Gortney, um militar de alta patente do exército dos EUA, disse concordar com análises da inteligência norte-americana de que a Coreia do Norte tem condições de lançar mísseis nucleares contra o território dos EUA. Ele destacou, porém, que o país estaria pronto para interceptar eventuais ataques deste tipo.

O lançamento do satélite Kwangmyongsong-4 em fevereiro deste ano reforça a conclusão de Gortney. A Coreia do Norte alega que o satélite integra seu programa espacial, sendo puramente científico. EUA, China e Coreia do Sul, por outro lado, argumentem que o lançamento visa desenvolver mísseis balísticos inter-continentais.

A Coreia do Norte está proibida por sanções da ONU de usar qualquer tecnologia de mísseis balísticos. De acordo com especialistas,  o foguete usado para colocar o satélite em órbita pode carregar até 500 quilos (bem mais do que um teste anterior em 2012), o bastante para armazenar ogivas nucleares. O alcance do equipamento pode chegar a 13 mil quilômetros – caso confirmado, seria o suficiente pode atingir qualquer parte continental dos EUA .

Ainda é incerto, contudo, se o país desenvolveu a tecnologia que permite ao míssel retornar à atmosfera, o que é fundamental para o seu uso como arma. Além disso, a montagem do míssel ainda é pouco prática, levando dias para ser efetivada em uma imensa plataforma fixa de lançamento, que poderia ser facilmente destruída em um ataque preventivo.

Os EUA já anunciaram a intenção de ajudar a Coreia do Sul a implantar um escudo antimísseis avançado o mais rápido possível – o que deve enfrentar resistência da China. Logo, mesmo que a Coreia do Norte consiga desenvolver a tecnologia para lançar mísseis balísticos nucleares, é provável que EUA e o Seul consigam interceptá-los.

Além disso, o arsenal norte-coreano, além de pouco potente, é pequeno se comparado àqueles das potências nucleares, fator relevante em um eventual conflito deste tipo. A China possui 260 ogivas, a França, 300, e o Reino Unido, 225. Enquanto a Rússia tem 1,582 ogivas nucleares prontas para uso instaladas em mísseis balísticos, submarinos e aviões, os EUA possuem 1,597 ogivas na mesma condição. Ao todo, os russos dispõem de 7,7 mil ogivas e os EUA, 7,1 mil, entre equipamentos prontos para uso e ogivas ativas e a espera de desmanche.

Neste sentido,  a Coreia do Norte estaria em profunda desvantagem em um conflito nuclear com os EUA . Além da capacidade de interceptar mísseis balísticos de ataques premeditados de Pyongyang, os norte-americanos ainda teriam em estoque quantidade suficiente de bombas nucleares para aniquilar a Coreia do Norte. Sendo assim, esse prognóstico seria uma potente razão para dissuadir o regime de Kim Jong-un de usar armas nucleares contra EUA, Coreia do Sul e Japão.

O lider norte-coreano, Kim Jong-un. Foto: AFP PHOTO/KCNA VIA KNS

O lider norte-coreano, Kim Jong-un. Foto: AFP PHOTO/KCNA VIA KNS

Descartando as armas nucleares, a Coreia do Norte ainda poderia representar elevado risco para a vizinha Coreia do Sul por meio de uma invasão por terra. O país tem o  quarto maior do exército do mundo, com equipamentos de artilharia pesada e 1,2 milhão de soldados ativos, além de 7,7 milhões na reserva.

A Coreia do Sul tem “apenas” 690 mil soldados, estando em desvantagem numérica de 3 para 2. A Coreia do Norte também possui mais armamentos, tanques, aviões, navios, artilharias e mísseis. Mas os armamentos de Seul são modernos, fornecidos pelos EUA. Ao contrário dos equipamentos norte-coreanos, em sua maioria antigos e limitados. Além disso, as tropas sul-coreanas são altamente treinadas.

Ademais, para as tropas norte-coreanas chegarem ao território da Coreia do Sul, seria necessário passar pelas cerca de 28 mil tropas norte-americanas estacionárias na zona desmilitarizada que separa os países. Essas tropas são apoiadas por cerca de 40 mil soldados que podem chegar do Japão e da base militar de Guam.

 Pyongyang poderia ainda utilizar bombas nucleares sujas em mísseis de curta distância contra os sul-coreanos . Um ataque deste tipo provavelmente seria ineficiente, mas causaria grande caos. A Coreia do Norte também poderia utilizar seus vasto arsenal de armas químicas e biológicas contra o Sul.

Nestes cenários, possivelmente um conflito com a presença dos EUA apoiando tropas sul-coreanas se iniciaria. Sem o apoio da China, dificilmente Pyongyang seria capaz de resistir à superioridade militar destes adversários. O país também enfrentaria limitações econômicas para financiar qualquer conflito.

 Estaria a China, com seu exército de 2,3 milhões de soldados (o maior do mundo), disposta a socorrer a Coreia do Norte?  Ambos os países são aliados, mas Pequim tem demonstrado insatisfação com o regime de Kim Jong-un. O país criticou o teste nuclear realizado em fevereiro e aceitou impor novas sanções a Pyongyang na ONU. Além disso, nos últimos três anos, a China realizou seis reuniões de cúpula com a Coreia do Sul, e nenhuma com a Coreia do Norte, o que pode indicar que Pequim considera o país menos importante que seu vizinho.

Logo, em caso de um conflito iniciado de forma premeditada pela Coreia do Norte com a Coreia do Sul e/ou os EUA, não está claro se a China estaria disposta a apoiar Pyongyang. É mais provável que o país usaria sua influência sobre o regime norte-coreano para evitar o início de um confronto na península coreana, mantendo assim os EUA distantes de suas fronteiras e evitando uma legião de refugiados norte-coreanos buscando segurança em seu território.

 Apoiar a Coreia do Norte em um eventual conflito obrigaria a China a, possivelmente, colocar-se contra os EUA. E isso traria o aspecto nuclear novamente para o cenário . Ambos os países são potências nucleares, mas os EUA possuem capacidade nuclear muito superior. É possível argumentar ainda que os EUA também buscariam não utilizar armas nucleares contra a Coreia do Norte em um ataque de retaliação para evitar tensões com a China e maiores riscos à Coreia do Sul.

Neste sentido, apesar das diversas ameaças norte-coreanas aos EUA, especialistas acreditam que a possibilidade de um ataque premeditado da Coreia do Norte aos EUA, Japão ou Coreia do Sul é quase nula. Um ataque deste tipo resultaria, provavelmente, na destruição de parte considerável do país por tropas norte-americanas e sul-coreanas, além do fim da dinastia Kim. E essa possibilidade é potente o bastante para dissuadir o regime comunista de utilizar suas armas nucleares. No entanto, possuir essas armas garante ao país – além do discurso de superioridade militar sobre o Seul -, certa base para negociações com a comunidade internacional.

O país poderia usar uma eventual intenção de desativar ao menos parte do seu programa nuclear para receber, por exemplo, ajuda econômica, energética e alimentícia.

Embora o avanço do programa nuclear norte-coreano ajude a sustentar a retórica belicosa do país, ele não significa, por si só, o aumento das chances de uma guerra na península coreana. A elevada probabilidade de uma derrota em um conflito com os EUA e a Coreia do Sul, resultando na implosão do país, seria o bastante para conter o impulso do regime em usar suas armas nucleares.

8 Responses to O quão perigosa é a Coreia do Norte?

  1. Thiago Torres disse:

    ótima analise ! Tenho uma duvida, talvez seja de pequena relevância, teria a possibilidade de lideres radicais islâmicos se unirem a Coreia do Norte, para um eventual ataque em massa contra o ocidente? Pois o que impede uma união desse tipo sendo a unica finalidade causar um caos generalizado no coração do Ocidente?

  2. E se kim achar que não tem nada a perder e sua queda é eminente? o estrago que ele pode fazer independe de sua capacidade de ganhar a guerra.

  3. Wilson dantas disse:

    Bilionárias ? O que é isso ?

  4. cicerocardoso disse:

    Eu apenas faria um pequeno adendo com relação ao regime Comunista. Tratar do regime norte-coreano como uma autocracia é mais honesto intelectualmente, pois a Coréia do Norte não passou por um Estado transitório, tampouco por uma revolução onde o proletariado toma o poder absoluto e institui sua ditadura para ser considerado um regime Comunista. No mais, excelente artigo!

  5. Dom sebastiam disse:

    viva o cumunismo stalim estava certo a burguesia fascista nazista tem que ser tratada com ferro e
    fogo…

  6. Carlos E. A. Henriques disse:

    Acho muito improvável que a Coréia do Norte lance alguma ofensiva contra o sul ou o Japão, e mais improvável ainda é que a China a apoie apesar de serem aliados e parceiros de longa data, simplesmente pelo fato que o atual momento econômico quase impossibilita que a China adote uma postura pró Coréia do Norte. Simplesmente não interessa a China, seria mais fácil que a China invada a Coréia do Norte e acabe com a farra do Kim.

  7. Uma ditadura sem nenhum escrúpulo, sem respeito algum pela vida, merece ser destruída sem piedade, pela força, a única linguagem que reconhecem. A ditadura da família Sun, da Coreia do Norte, só encontra simpatia no em outras partes em metes pervertidas, em bajuladores comunistas, estelionatários da civilidade, que se aproveitam da democracia para destruí-la. No Brasil, o PC do B de Jandira Feghali e Flávio Dino bate palmas para essa excrescência. Que nojo.

  8. Iluminado disse:

    O triste da historia sao os 23 milhoes de norte coreanos escravizados forcados a trabalhar sem liberdade alguma para sustentar o regime de Kim e suas brincadeiras com armas bilhonarias.

Deixe um comentário